Fome, diversão e arte

Meu querido professor de Belas Artes, Ernesto Aroztegui, ou “el Viejo”, como era chamado por seus alunos, sempre dizia o seguinte: “a fome ajuda você a ser criativo”. Ele argumentava que a dificuldade de acesso a materiais e ferramentas incentiva a criatividade. Isso, por analogia, ao homem primitivo que não tinha nada, e ao se defrontar com a fome tinha que achar os meios para conseguir seu sustento, etc. Teve no ateliê quem não aceitava o lanche da tarde porque “el Viejo” tinha mandado pintar com fome!

Outro dia eu acordei com uma fome diferente, era uma ideia martelando desde o travesseiro: queria ver o mundo bem, bem de perto. Como se eu fosse um pequeno inseto, navegar entre texturas, descobrir novas paisagens. Algo entre o visto por uma lente macro e um microscópio. Então fui no oráculo (que tudo sabe e entreveira) e digitei “super macro”. Então vi um monte de fotos de mosquitos, de flores, e das próprias lentes e adaptadores para tirar as ditas fotos. Logo fui atrás de preços. Por 16.99 dólares vi um adaptador macro para o i-phone que não tenho. Por 250 reais achei lentes que se adaptam na lente da minha câmera. E de 600 a 1700 reais tem lentes muito bacanas. Nem precisei fazer as contas para saber que, por enquanto, não dava para comprar lente nenhuma. Comecei então um jejum (que durou meia hora) na esperança de ter uma boa ideia.

Dias depois, estava eu desmontando um scanner que tinha achado no lixão (quando fui para jogar outros lixos), e descobri que lá dentro existe uma pequena e bonitinha lente! A seguir explico como adaptei a pequena lente na câmera, e algumas das fotografias que tirei, para que leitor inquieto e curioso consiga fazer igualmente.

01 grafico montagem cdr x3.

1- Desmonte um scanner daqueles que não tem USB e sim aquela velha entrada enorme de impressora.

2- Lá dentro, na peça preta móvel, entre espelhos e circuitos, tem uma lente que mede mais ou menos 1,5cm.

3- Se sua câmera for profissional ou semi, faça um adaptador de papelão para sua lente com um buraco no meio, ( 4 ) onde você cola a pequena lente do scanner com fita crepe ou com cola quente.

5-  Coloque o adaptador como se fosse a tampa da sua lente original. Cuidado para não riscar a lente de sua câmera! Se sua câmera não é profissional, dá para colar a lente do scanner à lente de sua câmera com fita crepe. Cuide para a câmera não desligar sozinha e assim forçar o sistema de proteção da lente.

Fique bem perto do objeto a fotografar, questão de poucos centímetros. Experimente usar o zoom. Faça foco se afastado e aproximando do objeto. Divirta-se explorando novos horizontes!

Este slideshow necessita de JavaScript.

*Luis Ernesto Aroztegui (1930-1994) foi um importante artista plástico uruguaio conhecido por seus imponentes teares feitos com uma técnica aprimorada onde retrata de forma hiper-realista e com deformações óticas , a si mesmo e a figuras famosas. Aroztegui é conhecido também por sua atuação como professor ministrando cursos para difundir a técnica da tapeçaria contemporânea tanto no Uruguai como no Brasil. Em 1986 participou da Bienal de Veneza. De 1987 até sua morte foi professor na Escola Nacional de Belas Artes.

Uma resposta para Fome, diversão e arte

  1. Jeferson disse:

    Obrigado !!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s